Sugestão para este mês: Workshop Gin Lovers


Hoje começa o mês mais romântico do ano e para começarmos este mês em pleno aqui pelo blog, trago-vos um post sobre a surpresa que fiz ao André o ano passado e uma ideia para todas as namoradas e namorados de aficcionados de Gin: o Workshop da Gin Lovers.

//Antes de começar: não fui de forma alguma paga ou incentivada a fazer este post pela marca referida. Estou a fazê-lo por própria iniciativa e por ter realmente gostado da experiência, que foi adquirida e paga por nós. A minha opinião é totalmente verdadeira e sincera.

Encontrei o Workshop da Gin Lovers quando procurava por uma ideia original para surpreender o meu namorado no dia dos namorados do ano passado. Procurava um workshop ou uma experiência que realmente valesse a pena e nos proporcionasse umas horas diferentes no meio do nosso dia-a-dia. Quando encontrei o site da Gin Lovers soube logo que tinha encontrado a opção certa, não fosse o André um grande fã de Gin tónico e eu uma recém rendida a esta bebida.

Com uma rápida visita à loja online deles, encontrei dois tipos de experiências: o kit Experience e o kit Workshop, pelo qual me acabei por decidir, que dá direito a uma sessão de aprendizagem de 2h em Lisboa ou no Porto.

A nossa sessão teve lugar em Lisboa na loja da Gin Lovers na Rua António Cardoso, junto ao Bairro Alto, (que acabou de existir e ser substituída pela nova loja e bar no Príncipe Real). Só pela decoração da loja e o ambiente já valia a pena a visita. As paredes estavam recheadas de caixas de botânicos, águas tónicas diferentes, bolachas de zimbro, Gins de todas as marcas e sítios do mundo… Tudo o que possamos imaginar ligado a este mundo do Gin.

Noutra ponta da loja tínhamos à nossa espera uma enorme bancada cheia de copos balão, vários tipos de Gin, ervas aromáticas, frutas e variados instrumentos. Percebemos logo aí que não iríamos sair de lá sem experimentar e aprender a fazer um Gin a sério.

Assim que entrámos na loja, fomos logo recebidos por alguns elementos da Gin Lovers, um deles o Fred, o nosso professor na sessão de duas horas que nos esperava.

A sessão começou com uma breve explicação da história por detrás desta bebida tão popular nos dias que correm, mas com uma história muito mais antiga do que pensávamos.

Além da história, aprendemos também o porquê do uso do copo balão, as diferenças entre as várias águas tónicas (inclusive, pudemos experimentar duas diferentes para comparar), as diferenças entre os vários tipos de Gin e que especiarias ou frutas usar em cada um.

Depois de toda uma sessão teórica, foi tempo de ver o Fred mostrar-nos como fazer a pièce de résistance: um Gin como manda a tradição e com as especiarias certas.

Coisas que aprendemos neste workshop e que é importante passar:

  • o Gin perfeito depende dos gostos – há Gin’s que eu gosto e o André não, tal como existe o contrário;
  • as especiarias poderão ser escolhidas de acordo com o tipo de Gin, mas o importante é não misturar sabores que não tenham a ver com os utilizados para a destilação do Gin;
  • há especiarias, como a malagueta, que não devem ser colocadas inteiras, ao contrário do que vemos fazer em muitos bares.

Para vos explicar melhor o segundo ponto que referi acima: há Gins que no seu processo de destilação contém especiarias florais, o que lhes dá esse sabor no final. Se o nosso Gin for um destes, não devemos misturá-lo com frutas ou especiarias bastante diferentes das iniciais, pois acabaremos a criar um cocktail de sabores muitos diferentes e às vezes muito pouco compatíveis.

Mas a verdade é que tudo depende do nosso gosto. Muitas vezes aqui por casa juntamos pimenta vermelha, cardamomo e maçã e posso dizer-vos que fica divinal!

No final da sessão cada um de nós foi convidado a fazer o seu Gin, com a ajuda da equipa. Tínhamos à nossa disposição todos os Gin’s, águas tónicas, especiarias e frutas que quiséssemos experimentar. Era só escolher e começar a fazer.

O meu Gin escolhido foi o português Snow Dog, que podem ver na fotografia acima, enquanto que o do André foi o Hendrick’s. O meu era de uma intensidade mais suave do que o escolhido pelo André, mas os dois, com os acompanhamentos certos, ficaram fantásticos.

O Snow Dog foi também um dos Gin’s que o Fred nos deu a experimentar durante a explicação dos tipos de Gin e acabei a escolhê-lo para o meu por ter gostado do tão suave que era. Achei que ficaria perfeito com a mistura que queria fazer e ficou mesmo.

Uma curiosidade sobre este Gin, para quem possa não o conhecer: o Snow Dog é um Gin português destilado de bagas de zimbro apanhadas na Serra da Estrela. Digam-me lá, se só por saberem isto, já não gostavam de o experimentar?



Depois foi pôr mãos-à-obra:

  • copo bem cheio de gelo para o gelar bem;
  • introduzir as especiarias;
  • as frutas, que no meu caso foram lima e limão;
  • perfumar o copo com a fruta que quiser predominar;
  • colocar o Gin;
  • E adicionar a água tónica, com todo o cuidado.


É claro que aquilo pelo meio há vários segredos que não consigo sou especialista suficiente para explicar. Como por exemplo, a arte de tirar a raspa perfeita da lima ou do limão. Sim, porque não devemos raspá-lo para dentro do copo!

Outra coisa que só um verdadeiro especialista será capaz de explicar é como fazer uma infusão de especiarias, como por exemplo, de malagueta. Foi-nos explicado pelo Fred, mas como ainda não colocámos em prática, não me arriscaria aqui a explicá-lo.

Se estão neste momento a perguntar se não tive medo de partir um copo (quem me conhece bem, sabe o tão desastrada que sou) ou de não cortar a raspa perfeita da fruta. Sim, tive bastante, mas com cuidado e devagarinho corre tudo bem. Menos a parte da raspa, a raspa ainda hoje tenho que chamar o André para a fazer se a quero perfeita.

Falemos de instrumentos: não me perguntem os nomes de todos que não os sei, mas uma coisa que aprendemos na sessão do workshop foi que não é obrigatório ter nenhum deles em casa. Actualmente só temos um ralador de cozinha, com o qual fazemos a raspa nas frutas, e para tudo o resto usamos uma colher de cozinha alta, como a do galão. Esta serve para mexer o Gin (apenas uma “meia-mexidela” suave para juntar os sabores) e ajudar a colocar a água tónica sem retirar o seu gás.

Em relação às especiarias: a Gin Lovers tem todas as que poderão imaginar nas lojas deles e na loja online, mas poderão encontrá-las também em qualquer supermercado. Actualmente temos em casa um kit da linha Deluxe do Lidl que trás vários tipos e posso dizer que para dois aficcionados por esta bebida o kit está a durar imenso tempo e a valer imensa pena.

Se estão a perguntar-se se valeu a pena o investimento e a experiência: acho que a minha cara nas fotografias acima diz tudo. O Gin estava um espectáculo e a aprendizagem foi enorme! Posso dizer que até hoje estamos a utilizá-la e a aprender coisas novas.

Porque aprender a fazer Gin não é acontece só numa sessão de 2h, mas sim na prática, a testar novos sabores e novos Gin’s. Lá por casa já temos uma prateleira na nossa estante com umas tantas garrafas de Gin diferentes e não acredito que vá ficar por aqui.

E se vale a pena a experiência a dois? Muito! Mesmo que pensem que só o vosso namorado iria gostar da experiência, enganam-se. Vi vários casais de todas as ideias a fazerem a experiência e não vi uma única pessoa a fazer um frete.

Por isso, se gostas de Gin, não hesites em comprar a experiência para os dois. Vão ser 2 horas bastante diferentes e depois ainda tens a desculpa de seguir para outro sítio e fazer um jantar romântico. 😉 Nós recomendamos a Popolo em Santos, soube que nem ginjas.

Espero que tenham gostado do post e ficado com curiosidade de pelo menos fazer um Gin diferente este fim-de-semana. Se gostavam de ler ainda mais sobre como fazer um bom Gin, este post do André tem tudo sintetizado, e foi escrito com base na experiência deste workshop.

Se gostavam de ter mais ideias para oferecer e fazer este dia dos namorados, este é o post certo.

Obrigado por lerem o post e um Fevereiro muito especial!

<3
PS: Fotografias da minha autoria e da autoria do André. Se as quiserem utilizar, perguntem e poderemos disponibilizá-las.

By Tânia Sequinho

Tânia Sequinho é a autora por detrás do yoursecretgirl.com, o blog que criou para inspirar jovens mulheres a conseguirem a vida feliz, organizada e realizada com que sempre sonharam. Actualmente a Tânia vive com o namorado André e a sua gata Luna perto de Lisboa, e trabalha como Web e Mobile developer durante o dia e como blogger à noite. www.yoursecretgirl.com